Igreja Batista Central- Diamantina: Abril 2010

Inversão de Valores


Coisas que tem pouca importância são colocadas como de muito valor e coisas importantes são colocadas como de pouco valor.

Porque as pessoas invertem os valores?
Clique aqui e leia mais...

- Ignorância
- Crenças e valores internalizados de forma errada (pai, mãe, escola, amigos, sociedade, televisão)
- Questão cultural - o ser humano não é só produto do meio, ele faz parte do meio, Ex: Antes o casamento era uma coisa sagrada, algo de valor. Hoje a sociedade nos coloca que o amor é tudo, que se não der certo é só se separar.
- Estado pecaminoso do homem, o homem ficou deficiente.
- Ausência de Deus no coração, tudo é baseado no relativismo, tudo é Deus e Deus é tudo, não há escala de valores para a minha vida, não existe um Deus para ser obediente.

Inversão de valores alcança o povo de Deus também, a moça se guardava pura para casar, hoje não existe mais isso, relacionamentos são como produtos descartáveis, usa, acaba e começa outro.

Os motivos que levam a inversão de valores:
1 - Coisas valem mais do que pessoas – Você tem aquele guarda roupa cheio de roupas, mas a maioria não é usado e você não doa para quem realmente precisa. O marido alisa mais o carro do que a esposa. Aa pessoas amam as coisas e usam as pessoas, quando deveria ser o contrário, amar as pessoas e usar as coisas.
2 - A aparência vale mais do que o conteúdo – Um homem comunicativo, um homem charmoso mas e o conteúdo? Palavra, expressão corporal e tom de voz são mais valorizados do que o conteúdo, um exemplo claro são os candidatos políticos. Uma pesquisa revelou que 7% palavra, 55% expressão corporal e 38% tom de voz, essa é a porcentagem para poder convencer alguém de algo. O “glória a Deus” do irmãozinho da igreja é mais alto que os outros. O outro irmãozinho é fogo puro, sapatinho de fogo, fala línguas estranhas, tem visões, mas o crente não é conhecido pelos dons, mas sim pelos frutos. Os dons são de Deus para o homem, os frutos são do homem para Deus. Ë como Jesus falou, sepulcro caiado, por fora bonito, por dentro a podridão.
3 - Serviço cristão vale mais do que a família - De que adianta está enfornado na igreja o tempo todo, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, sábado noite de revelações, domingo culto, e a família passando fome? Isso não existe, isso é desculpa de preguiçoso, vai trabalhar! Sustentar sua família, a não ser que essa pessoa seja remunerada pela igreja, um pastor. Em I Coríntios 7:32 é falado sobre a diferença entre homem solteiro e casado, se você é solteiro cuide das coisas do Senhor, se você já é casado, cuide das coisas do mundo, de como agradar a tua esposa. Não que quem seje casado não deve ir a igreja, entendam isso.
4 - Experiências espirituais vale mais do que a Palavra – Sempre confronte a experiência com a Palavra de Deus, tem coisa errada? Havia uma irmãzinha que estava dando um testemunho em um programa de tv, "eu fui ao céu, chegando no céu eu vi o Pai, vi o Filho e vi o Espírito Santo, fui arrebatada” Agora leia “Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou” João 1.18, “o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele a honra e poder eterno. Amém!” I Timóteo 6.16
5 - Relacionamentos com ímpios mais importante que relacionamentos com irmãos - Podemos relacionar com todas as pessoas, mas temos que saber quem deixar entrar nos nossos relacionamentos profundos.União entre luz e trevas? A garota tem amizades profundas com ímpios e não tem com pessoas que professam a mesma fé que ela?! Festa com ímpios, vai passear com um bando de ímpios, vai tirar férias com um bando de ímpios, coleguinhas ímpias? Cadê os seus valores? Seus valores são os valores do mundo?
6 - Meus interesses vale mais do que o Reino de Deus - Sou capaz de usar meu dinheiro para qualquer coisa que eu quero, mas não sou capaz de fazer um sacrifício para um projeto da igreja, um projeto missionário. Sufoco financeiro? É porque o Reino de Deus nunca é priorizado, leiam Mateus 6:25 a 31
7 - Outros lugares mais importantes do que a casa de Deus – A casa do João sapatinho de fogo, o cara é fogo puro! O crente que vive rodopiando num monte de lugar para ouvir profecias, visões, corre daqui pra lá e na igreja não vem, porque não profetizam no púlpito da igreja as profecias? É porque na igreja tem um pastor com um cajado. A casa de Deus é a casa de Deus, há algo diferente lá, não compare a casa de Deus com lugar nenhum, não diminua o valor da casa de Deus!
8 - O talento vale mais do que o caráter - lá fora, esse jogador é um craque ele pode trocar a mulher por outra, olha o talento dele. Olhe esse artista de TV, ele pode trocar a mulher dele por outra, a mulher dele era até meio feinha. E dentro da igreja? Ah, mas ele é um cantor fantástico, ele pode trocar a mulher dele por uma mais nova, seus hinos são lindos. Esse cara é o cara mais rico da igreja, o dízimo e a oferta representa 80% da renda, o pastor não pode disciplinar ele porque ele banca muitos missionários, esse cara prega muito, a mulher dele era muito chata ele tinha que trocar por uma mais nova. Veja o que Deus fala sobre Jó, “Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desviava do mal”, isso é o caráter, “Possuía sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois e quinhentas jumentas; era também mui numeroso o pessoal ao seu serviço, de maneira que este homem era o maior de todos.” Isso á o talento, para Deus o que importa é só o caráter. A irmãzinha canta bem? Ela é legal? Tem grana? É gente boa? Mil vezes não! O Senhor vem buscar uma igreja santa, pura, irrepreensível, que cristianismo é esse que vivemos?

As coisas são mais importantes do que as pessoas, a aparência vale mais que o conteúdo, o serviço cristão vale mais do que a família, as experiências espirituais valem mais do que a Palavra, relacionamentos com ímpios mais importantes que relacionamentos com os irmãos, meus interesses vale mais do que o Reino de Deus, outros lugares mais importantes do que a casa de Deus, o talento vale mais do que caráter.
Deus está olhando o teu caráter e não o teu talento!

Escrito por: Rafael Gimenes
Postado por: Diego (Chuck)

Sangue de Abel

Boa noite galera!! Ateh que enfim to fazendo minha primeira postagem!!!
Resolvi colocar essa música: Sangue de Abel, do Fruto Sagrado, a letra dela é muito bonita, tem uma mensagem maravilhosa, fala muito nos erros que a humanidade vem cometendo através dos tempos, nos faz pensar sobre as besteiras que fazemos.

Carol

Fernadinho - Deus tem o melhor para mim

Prosperidade: sinônimo de riqueza???


Prosperidade no sentido bíblico, significa ausência de necessidade. Quem prega prosperidade de bens materiais, riqueza, acúmulo de bens terrenos como condição básica para a felicidade humana está pregando outra doutrina e não a doutrina cristã: “Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação” (Fp 4:11). A base de nossa felicidade é saber que fomos perdoados dos pecados e estamos salvos, por causa de Jesus Cristo!
Continue Lendo


Veja o caso de José no Egito e seus dois filhos, Efraim e Manassés. Os jovens já nasceram em palácios, cheios de servos e criados, sendo José o segundo homem mais poderoso do império. Nada lhes faltava. No entanto, José vai visitar Jacó e os leva e ali Jacó os ABENÇOA para que saiam do palácio e venham ser seus “filhos”, vivendo como pastores, servindo a ovelhas e dormindo ao relento. Isso é bênção? Sim, é bênção, pois assim foram preservados da contaminação das riquezas, da idolatria, das concupiscências e tendo, assim assegurados a sua entrada na terra prometida. E José compreendeu e aceitou entregá-los ao pai:“Agora, pois, os teus dois filhos, que te nasceram na terra do Egito, antes que eu viesse a ti no Egito, são meus; Efraim e Manassés serão meus, como Rúben e Simeão…Tendo Israel visto os filhos de José, disse: Quem são estes? Respondeu José a seu pai: São meus filhos, que Deus me deu aqui. Faze-os chegar a mim, disse ele, para que eu os abençoe…E José, tirando-os dentre os joelhos de seu pai, inclinou-se à terra diante da sua face. Depois, tomou José a ambos, a Efraim na sua mão direita, à esquerda de Israel, e a Manassés na sua esquerda, à direita de Israel, e fê-los chegar a ele…Assim, os abençoou naquele dia, declarando: Por vós Israel abençoará, dizendo: Deus te faça como a Efraim e como a Manassés. E pôs o nome de Efraim adiante do de Manassés” (Gn 48:5,8,9,12,13,20).


A Bíblia é bem clara em dizer que o amor do dinheiro é a raiz de todos os males e que é muito perigoso lutar para ser rico:“Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição" (1 Tm 6:9). Um cristão pode ser rico, sem apostatar da fé? É claro que pode! Um cristão pobre pode apostatar da fé? É claro que pode também! Não é, portanto, a riqueza o mal, mas o amor ao dinheiro.

Deus é soberano e PODE abençoar alguém, materialmente falando, ou não. Depende muito de como está o coração da pessoa. Existem algumas pessoas que não podem enriquecer, porque senão afastar-se-ão de Deus. Neste caso, para o bem delas mesmas, o Senhor as mantém somente com o necessário. Outras não têm o coração nas riquezas e então o Senhor pode enriquecê-las, dando-lhes junto o dom de misericórdia, para, com isso, abençoarem a Igreja, gerando empregos, ofertas, assistência social, etc.

Dízimo e oferta não é troca com o Senhor. “Eu entrego o dízimo e o Senhor me prospera!”. Nada disso. Dízimo é reconhecimento de que Deus JÁ TEM ME ABENCOADO. Dos cem por cento que recebo, retenho noventa e entrego somente dez, como prova de que confio no Senhor.

A passagem em Malaquias que diz que Deus irá abrir as janelas do céu derramando bênçãos sem medida (Ml 3:10-12) está relacionada principalmente a bênçãos espirituais (ensinos, revelações, sabedoria, paz), pois provêm do céu e lá dinheiro e bens materiais nada valem. O que é derramado a partir do céu, irmão, só pode ser bênção celestial e não terrena. Quem nos dá algo em troca de alguma outra coisa é Satanás (Mt 4:9).

Quanto a comer o melhor desta terra (Is 1:18-20) não está relacionado a bens materiais ou riquezas, mas ao desfrute da santificação, vida em paz, manifestação em nossas vidas, com abundância, do fruto do Espírito Santo (Gl 5:22).

Que o Senhor te conceda plena compreensão destas coisas e a paz de Cristo seja abundante em seu coração.

O que uma pessoa apaixonada é capaz de fazer???

Consciência Cristã
Ensina-me a amar

O que uma pessoa apaixonada é capaz de fazer?
2Co 12.10.
Maria aceitou dar a luz ao filho de Deus, mesmo que isso significasse ser rejeitada pelo seu marido e pela sociedade. Por amar a Deus.
Abraão foi obediente a ponto de caminhar por três dias, para sacrificar o próprio filho, seu único filho. Por amar a Deus.
Daniel preferiu a companhia de leões famintos a ficar um dia sequer sem falar com o seu Senhor.  Por amar a Deus.
Três amigos escolheram a possibilidade de morrerem queimados na fornalha ardente. Por amar a Deus.
Maria Madalena sendo apenas uma frágil mulher se dispôs a carregar o corpo morto de um Homem, só por pensar em ficar sem Ele. Por amar a Deus.
Tantos foram decapitados, esquartejados, torturados, passaram fome, frio, abandono, prisões, exílio e tantas outras coisas que poderíamos relatar. Por amar a Deus.
Mas por mais que eu me esforce, tentando descrever atitudes de amor, mais me descubro incapaz diante daquela cruz; Expressão máxima do amor. Amor manifesto na entrega da totalidade do único sangue sem culpa. Por Deus amar ao homem.
E o que fazemos com o nosso amor? O declaramos aos gritos e às vezes forçadamente. O amor não é uma simples expressão vocal. Amar é ter atitudes que refletem essa opção.
Amar é uma decisão.
Amar é doação.
Amar é ação.
Descobri que preciso aprender a amar verdadeiramente e de fato.
"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, porém o maior destes é o amor.” (1Co 13.13.)
::Nilma Gracia  Araujo

Desvendando a Páscoa


“Chamou, pois, Moisés todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Ide e tomai-vos cordeiros segundo as vossas famílias, e imolai a páscoa.” (Êxodo 12.21.)

A Páscoa é a mais famosa das festas judaicas, e também uma das mais importantes do calendário cristão. É evidente que a celebração judaica sofreu transformações ao longo do tempo, e a festa cristã também difere muito de sua versão judaica. Através da análise do texto hebraico, faremos uma viagem pela cultura e pela língua através da qual este evento foi instituído e perpetuado.
CONTINUE LENDO



A palavra hebraica para páscoa é ???, pesach, que significa “isenção”. Esse termo nos lembra a “isenção fiscal”, por exemplo, quando uma pessoa é liberada de pagar um tributo. Em Romanos 6.23 lemos que “o salário do pecado é a morte”, ou seja, todos que pecaram deveriam morrer. Assim, os judeus que se encontravam no Egito também eram réus de morte e alvos do ataque do anjo da morte. Todavia, o mesmo versículo 23 de Romanos 6 nos dá esperança:

“Mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. João Batista, ao ver Jesus, anunciou que este era o “cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1.29). Aqueles que no Egito tomaram posse do sangue do cordeiro de Deus se tornaram “isentos” de pagar o preço do pecado com a morte de seus filhos primogênitos.

A palavra pesach vem de pasach, que significa “pular”, ou “passar por cima”, que na verdade é a tradução literal da palavra inglesa para páscoa, passover. O anjo da morte “passou adiante” das casas cujos umbrais das portas estavam sinalizados com o sangue do cordeiro. Esse é o mesmo livramento que nos foi concedido por Cristo, que nos livrou da morte e nos deu vida, e vida em abundância (João 10.10).

O interessante é que a palavra pesach está diretamente relacionada com a palavra pisseach, que significa “manco” ou “coxo”, pois significa a pessoa que “puxa” ou “pula” uma perna. Dessa maneira, quando lemos em Êxodo 12.21 que o povo deveria “imolar a páscoa”, podemos traduzir como “imolar o coxo”. Nesse momento, nos lembramos de um personagem muito especial da Bíblia: Jacó. Quando retornava para sua terra natal, Jacó foi surpreendido por um anjo que lutou com ele. Em Gênesis 32.25, lemos que quando o anjo viu que não prevalecia contra Jacó, este “tocou-lhe a juntura da coxa, e se deslocou a juntura da coxa de Jacó, enquanto lutava com ele”. Desde aquele dia, Jacó (agora Israel), passou a mancar de uma perna, tornando-se coxo. Dessa maneira, “imolar o coxo” pode remeter a “imolar Jacó”, “sacrificar Jacó”. Mas o cordeiro sacarificado na páscoa deveria ser perfeito, sem mancha nem mácula.

Como seria sacrificar o coxo?

Nesse momento temos uma mudança radical de perspectiva, pois no Antigo Testamento o coxo era uma pessoa amaldiçoada e rejeitada, e nenhum animal coxo poderia ser sacrificado a Deus e nenhum coxo poderia entrar na presença de Deus. Em Levítico 21.18, por exemplo, lemos que “nenhum homem que tiver algum defeito se chegará: como homem cego, ou coxo (pisseach), ou de nariz chato, ou de membros demasiadamente compridos”.

Em Deuteronômio 15.21, lemos que se o animal a ser sacrificado tivesse algum defeito, sendo coxo (pisseach), cego ou tivesse qualquer outra deformidade, este não deveria ser sacrificado ao Senhor. O profeta Malaquias, por sua vez, afirma que Deus reclama que algumas pessoas estavam sacrificando animais coxos, o que era inaceitável (Malaquias 1.13). Na páscoa, nenhum animal coxo ou manco poderia ser entregue a Deus.

Concluímos, portanto, que Jacó deveria ser rejeitado? Sim, o velho homem Jacó, o enganador e usurpador, deve ser deixado para trás. Jacó parece ter dado ouvido a um ensinamento divino: “Se, pois, a tua mão ou o teu pé te fizer tropeçar, corta-o, lança-o de ti; melhor te é entrar na vida aleijado, ou coxo, do que, tendo duas mãos ou dois pés, ser lançado no fogo eterno.” (Mateus 18.8). Jacó foi feito coxo, pois era a sua perna que o fazia tropeçar (Jacó significa “calcanhar” ou “enganador”). Ele lançou fora aquilo que o fazia tropeçar e entrou na vida. Ele abdicou de sua desenvoltura, de sua destreza no andar e no correr, mas alcançou a aprovação de Deus. A fim de tomar posse do sacrifício do Cordeiro da Páscoa que nos livra da morte, devemos, assim como fez Jacó, abandonar o “velho homem” e assumir uma nova postura perante Deus. Nesse momento, Deus irá dar nova vida ao coxo, pois ele mesmo prometeu: “Então o coxo saltará como o cervo, e a língua do mudo cantará de alegria; porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo.” (Isaías 35.6). Ou como lemos em Hebreus 12.13: “E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que é manco não se desvie, antes seja curado.” Jesus é nossa páscoa (1 Coríntios 5.7), nosso livramento da morte, poderoso para curar o coxo e levantar o caído.

Jacó foi curado no momento de sua luta com o anjo. Ele reconheceu sua condição pecadora e se humilhou na presença de Deus. Ele que nasceu segurando o calcanhar de seu irmão, que posteriormente usurpou a bênção que pertencia a Esaú e que tentava sempre “enganar”, ou seja, “puxar a perna” dos outros, tem agora a sua perna puxada e danifica por uma ação divina. Isso o “esvaziou” de toda vaidade e o deixou preparado para receber a cura.

É interessante observar que a luta de Jacó com o anjo ocorreu no “vau de Jaboque” (Gênesis 32.22). A palavra “Jaboque” é, em hebraico, yabboq, que significa “brotar”. Naquele local, a causa das desventuras de Jacó brotou, tornou-se manifesta, o que facilitou sua libertação desse mal. Lá, Jacó teve seu pecado perdoado, assumiu o sacrifício do cordeiro pascal e foi liberto da morte.

Além disso, cabe observar que a palavra yabboq vem de baqaq, que significa “luta” ou “vazio”. Ou seja, nesse momento de luta, Jacó esvaziou-se de toda sua vaidade e arrogância, e assumiu forma de servo, permitindo que Deus nele fizesse morada, como na passagem de Filipenses 2.5-8, que diz: “Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens; achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.” Ao esvaziar-se na luta, Jacó jogou fora o velho homem e entregou a Deus uma nova vida, agora imaculada como o cordeiro da Páscoa.

Por fim, voltamos ao versículo de Êxodo 12.21, quando Moisés afirma que cada família deveria “imolar a páscoa”. A palavra “imolar” é, em hebraico, shachat, cuja raiz shach significa “jogar no poço”. Um dos filhos de Jacó, José, foi jogado no poço por seus próprios irmãos. Ele foi lançado à morte pelos seus próprios parentes. Mas aprouve a Deus livrá-lo da morte, assim como aconteceu com nosso Senhor, nosso Cordeiro, que foi entregue à morte, mas trazido de volta à vida pelo poder de Deus. Todo aquele que invocar o sangue do Cordeiro da Páscoa, poderoso para tirar o pecado do mundo, será livre da morte assim como o foram aqueles que, no Egito, obedeceram à ordem divina e tomaram posse da salvação.

::Por Daniel Lopez

Jornalista formado pela UFRJ, mestre em Linguística pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e professor de Filosofia da Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tendo estudado hebraico na Sinagoga ARI, em Botafogo – RJ.

Tu és santo - Ronaldo Bezerra



Famosa música tema da ABU....show de bola...o dia que tocou no louvor fiquei fã na hora...escutem e postem comentários o blog ta carente de comentários...abraços
(Cazin)

Libertação Espiritual

Libertação Espiritual: Derrotando o "inimigo" em Nossas Vidas
Há milhares de anos, Satanás entrou no belo jardim de Deus, na forma de uma serpente, e pegou Adão e Eva em sua armadilha. Desde aquele dia até agora, Satanás tem sido o principal inimigo do homem. Até mesmo nestes dias, o diabo anda rugindo como um leão que nos quer devorar (1 Pedro 5:8). Ele emprega muitos métodos. Usando vários disfarces, ele tenta, seduz e engana (2 Coríntios 11:14-15; 2 Tessalonicenses 2:9-12; 1 Coríntios 7:5). Ele também aflige, persegue e ataca (2 Coríntios 12:7; Apocalipse 2:10; 1 Tessalonicenses 2:18). Ele usa aliados tais como principados e poderes, e o próprio mundo (Efésios 2:1-2; 6:11-12; 1 João 5:19). Muitos dos que enfrentam esta batalha espiritual poderiam prontamente fazer eco à exclamação de Paulo: "Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?" (Romanos 7:24). Continue Lendo

A Vitória de Cristo sobre Satanás
No próprio jardim onde o homem primeiramente sucumbiu à armadilha do diabo, Deus prometeu um libertador. "Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" (Gênesis 3:15). É muito incomum ver na Bíblia uma referência ao descendente de uma mulher. Quase sempre a linhagem foi contada através do pai. Em toda a história humana depois de Adão, só houve um que não teve um pai humano: Jesus Cristo. E assim este texto fala do conflito entre Jesus e Satanás. Mantendo a imagem da serpente, o texto fala de Jesus pisando nele, por assim dizer. Fazendo isto, ele teria seu calcanhar ferido (um dano relativamente pequeno), mas também esmagaria a cabeça do tentador (um ferimento mortal). Através do Velho Testamento, a humanidade permaneceu amarrada por Satanás, aguardando o cumprimento desta promessa gloriosa.
Finalmente nasceu o Salvador. Ele passou alguns anos "curando a todos os oprimidos do diabo" (Atos 10:38). Olhe especialmente para os exemplos em que Jesus expulsou demônios (note Marcos 1:23-28; 5:1-20; 9:14-29; Mateus 9:32-37; 12:22; Lucas 13:10- 17). É notável que Jesus subjugou os demônios com autoridade. Ele não gritou, não lutou, não usou nenhum encantamento ou instrumento mágico. Ele simplesmente disse uma palavra, e os demônios saíram. Jesus ligou sua expulsão de demônios a seu trabalho maior de esmagar Satanás. "Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o reino de Deus sobre vós. Ou como pode alguém entrar na casa do valente e roubar-lhe os bens sem primeiro amarrá-lo? E, então, lhe saqueará a casa" (Mateus 12:28-29). Jesus veio ao mundo para roubar do diabo as almas que tinham estado sob seu domínio. Mas primeiro ele teve que amarrar Satanás, o que ele estava fazendo ao expulsar demônios. Então o cenário estaria preparado para que ele tomasse o domínio do diabo, o domínio que este exercia sobre os homens.
Em repetidas ocasiões, especialmente próximo do fim do seu ministério, Jesus indicava que a crise estava se aproximando. "Eu via Satanás caindo do céu como um relâmpago" (Lucas 10:18). "Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso" (João 12:31). "Do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado" (João 16:11, veja também 14:30).
Textos incontáveis, escritos depois da ressurreição de Cristo, mostram-no como o vencedor que derrotou a Satanás. Jesus afirmou: "Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra" (Mateus 28:18). "O qual exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. E pôs todas as cousas debaixo dos pés . . ." (Efésios 1:20-22). ". . . Por meio da ressurreição de Jesus Cristo; o qual, depois de ir para o céu, está a destra de Deus, ficando-lhe subordinados os anjos, e potestades, e poderes" (1 Pedro 3:21-22). "E, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz" (1 João 3:8). Apocalipse apresenta esta grande vitória de Jesus sobre o diabo em forma simbólica (capítulo 12). Nosso Senhor Jesus Cristo derrotou totalmente o antigo inimigo do homem. O Senhor seja louvado!
Nossa Libertação
Nossa própria vitória sobre Satanás está intimamente ligada com o triunfo de Cristo. "Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e livrasse todos que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida" (Hebreus 2:14:15). Jesus veio para destruir o diabo e libertar seus súditos. Depois de descrever sua batalha sem sucesso contra a lei do pecado e da morte em Romanos 7, Paulo mostrou que, em Cristo, somos libertados da escravidão (Romanos 7:25; 8:1-4). Cristo é nosso meio de vitória nesta luta aparentemente sem esperança: "Em todas estas cousas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou" (Romanos 8:37). Ele continuou citando principados e poderes como duas forças que não podem separar-nos do amor de Deus em Cristo (Romanos 8:38-39). "E o Deus da paz, em breve, esmagará debaixo dos vossos pés a Satanás. A graça de nosso Senhor Jesus seja convosco" (Romanos 16:20). Gálatas 4 e Colossenses 2 também mostram como Cristo nos liberta do domínio do diabo.
Isto não significa, obviamente, que derrotamos o diabo em Cristo, sem esforço. Lutamos contra "principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes" (Efésios 6:12). Mas apesar da ferocidade do oponente, o Senhor dá a força do seu poder, com a qual podemos resistir firmemente ao diabo. Ele também nos diz exatamente que armadura usar na batalha: "Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo- vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica . . ." (Efésios 6:13-18). Note, por favor, que a armadura é especificada. Freqüentemente, nestes dias, as pessoas tentam travar batalhas espirituais contra o diabo e seus servos com outros instrumentos, que a palavra de Deus nunca menciona. Neste texto, é a própria Escritura que recebe a principal atenção: "a verdade", "o evangelho", "a palavra de Deus".
Conceitos Errados Sobre a Libertação
Algumas pessoas põem demasiada ênfase no poder de Satanás. Nos seus cultos eles dão mais atenção aos demônios do que ao próprio Cristo. Deste modo, eles minimizam a responsabilidade humana e oferecem desculpas para o pecado. O diabo não pode ser culpado pelo pecado. Ele de fato tenta, mas o pecado ocorre quando nos permitimos ser seduzidos pelos nossos próprios desejos (Tiago 1:14-15). Somos capazes de resistir ao diabo e, se o fizermos, ele fugirá (Tiago 4:7). Deus não permitirá que sejamos tentados acima de nossas forças para resistir; para cada tentação há uma maneira de escapar que é dada pelo Senhor (1 Coríntios 10:13). É um erro sério dedicar mais atenção ao diabo do que ao Senhor. É errado pensar que, em certos casos, somos impotentes para resistir a algum tipo de força superior que o diabo emprega. Eu sou responsável por minhas ações, e quando eu peco não tenho ninguém a quem culpar senão a mim mesmo.
Outro ponto de vista errado é que palavras mágicas ou objetos especiais são necessários para expelir o poder de Satanás da vida de uma pessoa. A feitiçaria nos dias do Novo Testamento se apoiava na repetição de palavras especiais para superar a influência do diabo, mas Jesus condenou esta idéia (Mateus 6:7). A repetição até mesmo do nome de Jesus, de modo supersticioso, virou contra aqueles que o tentaram (Atos 19:13-16). É o poder de Cristo, não a mágica de alguma frase ou objeto que supera Satanás.
Também não podemos superar o diabo através da obediência a regras e leis humanas. Este foi, basicamente, o problema sobre o qual Paulo escreveu em Colossenses 2. Ele falou de regras que os homens inventam para tentarem ser mais espirituais, e disse que elas não dão certo. Através dos séculos, homens têm tentado repelir o diabo através de ascetismo. Jejum, auto-flagelação, e a negação de prazeres lícitos são freqüentemente vistos como maneiras de superar o diabo. Mas o argumento de Paulo em Colossenses 2 é que Cristo e seus mandamentos são tudo o que necessitamos para superar "todo principado e potestade"(Colossenses 2:10, veja 16-23).
Finalmente, o diabo não é superado por espetáculos teatrais. Confrontos verbais com o diabo e gritaria não têm base na Bíblia. Cristo e os apóstolos tinham poder especial para ordenar aos demônios que saíssem das pessoas, mas ordenavam calma e deliberadamente. As Escrituras que Jesus e seus discípulos nos deixaram nos ensinam a usufruir de seu poder em nossas vidas pela submissão a ele e pelo uso da armadura que ele nos deu.
Jesus venceu Satanás. Em Cristo, nós também podemos vencer.

Acerca das Mudanças em Nossas Vidas

  
"Portanto, se alguém está em cristo é nova criação. As coisas antigas já passaram: eis que surgiram coisas novas!" 2 Coríntios 5:17
Eis a verdade que se cumpre na nossas vidas quando aceitamos Jesus como nosso senhor e salvador, a mudança é radical, e pra melhor. Cumpre-se a perfeição de Deus em nosso comportamento, em nossa fé, em nossas relações com mundo igreja e familiares.A nossa fé se restaura e começamos a ter dicernimento dado pelo próprio Deus do que pode ser bom e ruim em nossa conduta, pois ele nos guarda (Leia Salmo 91)
LEIA MAIS



Problemas, que antes eram grandes obstáculos que nos davam medo, passam a ser pequenas pedrinhas no caminhar natural da vida e que por nossa fé em Jesus são vencidos com facilidade, pois as vitórias serão sempre maiores que os problemas.
A Bíblia descreve a velha natureza e a nova natureza.Estas duas naturezas são encontradas em Gálatas 5:16-21. Nestes versículos o apóstolo Paulo fala sobre os frutos ou resultado das duas naturezas. A velha natureza era nossa vida antes de nacermos de novo. A nova natureza é a nossa vida depois de termos nascido de novo. E o verdadeiro crente não pode  continuar vivendo como vivia antes de nascer de novo. A nova vida substituiu a velha vida.O crente tem atitudes novas. O crente tem atos novos.

O cristão nascido de novo é livre da escravidão do pecado por duas razões
      1. O crente recebeu uma nova natureza como um presenteda paste de Deus. Leia I João 3:9-10. Precebe-se que nas palavras dos versículos acima, "não pratica o pecado", não quer dizer que o crente não pode pecar. Todo crente peca. A ênfase está em "continua", isto é, pecar continuamente. O cristão não será mais um escravo do pecado. Ele não terá o pecado na sua vida como um costume ou um hábito.
A nova natureza trará frutos novos.

      2.O novo crente é livre da escravidão do pecado porque o Espírito Santo vive na sua vida.
Leia I João 4:13 e I João 4:1-2. Portanto, temos visto na Bíblia que um crente nascido de novo não vive no pecado continuamente porque Deus dá a ele uma nova natureza e também lhe dá o Espírito Santo. 
Quando recebemos o Espírito Santo? No mesmo momento em que recebemos Cristo pela fé, o Espírito Santo vem morar em nossas vidas. Encontramos na Bíblia dois versículos que são muito claros em relação a quando o crente recebe o Espírito Santo.
Leia Atos 11:17. Neste versículo Pedro, o apóstolo, está falando acerca do Espírito Santo. O Espírito vem ser o nosso acompanhante diário quando cremos e recebemos a Cristo como Salvador e Senhor.
Leia Atos 10:47. Está claro que estas pessoas receberam o Espírito Santo quando creram, ainda antes de serem batizadas em água.
Nossa conclusão é: o pecado já não domina as nossas vidas por que temos uma vida santa (separada) e temos um novo diretor em nossas vidas, o Espírito Santo de Deus.
Se uma pessoa diz que é nascida de novo mas continua alegrando-se na sua vida de pecado anterior, então é porque na realidade não nasceu de novo.

Não serei mais tentado?????
Jesus cristo foi tenatdo. Leia Mateus 4:1; Hebreus 2:18; 4:15.
Cristo foi tentado porém não pecou. Não é pecado ser tentado. Premitir ou ceder à tentação é pecado. Leia o que Jesus disse aos seus dicípulos em Marcos 14:38.
Não é pecado ser tentado, mas se cedermos à tentação, ou se nos colocarmos numa posição em que a tentação é constante, então isto é perigoso e ruim. É muito melhor evitar a tentação o mais que pudermos.

Arquivo do blog

Contador de visitas

Hora Certa

Membros da Família

Moderador Master/Autores